Pular para o conteúdo principal

MEMÓRIA DE UM IDIOTA

É incrível como funciona a nossa memória. Mesmo depois de algum tempo, somos capazes de lembrar acontecimentos que nos marcaram, e em alguns casos, sentir tudo novamente. Parece que foi ontem que eu me dirigi ao Centro Automotivo Camp Service da Porto Seguro. Um amigo havia me pedido para levar o carro dele, que apresentava um barulho no motor, para fazer um orçamento. Depois do conserto, pensava em vendê-lo. Levei o carro até lá, por comodidade, pois ficava mais próximo do trabalho dele. Fui atendido por um funcionário, relatei o problema e deixei o carro para o orçamento. O barulho aparecia apenas na partida a frio, então o carro teve de dormir por lá. No dia seguinte, recebi a ligação do funcionário passando o orçamento. Discriminou uma lista do que precisaria ser feito e o preço: R$ 1.500 (um mil e quinhentos reais). Fiquei surpreso e fui até o local para pedir detalhes. Pensei num possível engano quanto ao carro ou quanto ao orçamento. Chegando lá, o mecânico responsável me atendeu e confirmou tudo.

– Retífica! Seu carro precisa fazer retífica do motor!

Bem, eu não sou mecânico, mas tenho conhecimentos mínimos para saber quando um carro está perto de fazer a retífica do motor. Isso ele não sabia. Na certa, o diagnóstico foi feito da minha cara, e não do carro! Eu já disse em outros posts, que tenho cara de idiota, mas esqueci de mencionar que também tenho cara nerd. “Um nerd idiota”… ele deve ter pensado.

Fiquei ouvindo a longa explicação sobre como se faz a retífica de um motor. Eu sabia de cor e salteado! Mas deixei que ele perdesse tempo. Enquanto isso, eu traçava uma rota de oficinas mecânicas para outros orçamentos. Então pedi a ele que imprimisse o orçamento detalhado. Enrolou-se todo, gaguejou e acabou dizendo que não podia fazer isso. – Tudo bem, eu disse. Sendo assim eu também não autorizo o conserto. Um minuto de silêncio… O carro já estava sendo preparado para a execução do serviço, e eu, o “nerd idiota”, simplesmente peguei a chave e manobrei em direção à saída.

Para o meu espanto, ele veio atrás de mim e começou a “tocar medo”. Dizia que o motor iria fundir em pouco tempo, que era um problema grave e que poderia até causar um acidente. Disse ainda que o motor não duraria três meses. Ciente de que o defeito não era grave, fui embora. Encontrando meu amigo, relatei o que tinha acontecido. Rimos muito e no final ele decidiu que não venderia mais o carro. Levou em conta a ligação sentimental que tinha com ele. Achei certa a decisão, pois o carro estava em ótimo estado de conservação. Seria um pecado vendê-lo.

Agora, quase um ano depois, reencontro meu amigo. Para minha surpresa, ele estava com o mesmo carro. Disse que, naquela ocasião, teria procurado outro mecânico, que diagnosticou a causa do barulho: tucho batendo, o que é muito comum em alguns carros da VW. O mais surpreendente, ainda, é que ele não tinha trocado os tuchos, até hoje.

– O barulho vai e volta. Dia sim, dia não. Às vezes fica longos períodos sem barulho. O carro tá rodando redondinho! Disse eufórico.

Se ele está certo ou errado, não cabe aqui julgar. Eu já teria feito a troca dos tuchos, mas sabe-se lá se o defeito é esse mesmo? Errado mesmo foi o funcionário da Camp Service. Tentou enganar o “nerd idiota” como se engana uma dona de casa com uma geladeira estragada. Eu não caí na dele, mas quantos podem ter caído? Dá vontade de fazer esse levantamento. Agora entendo a razão de recusar a emissão do orçamento impresso. Não funcionou muito bem, já que, a imagem que eu e meu amigo, e os nossos amigos, e os amigos dos nossos amigos temos dessa empresa e de se seus funcionários é a pior possível.

Comentários