PESQUISE NO BLOG

quinta-feira, 7 de março de 2013

País do futebol, do carnaval e do ágio

Parece que o brasileiro não aprendeu nada sobre carros nesses últimos tempos. Nem mesmo a Internet, que mudou o mundo inteiro, parece ter causado algum efeito positivo no nosso povo. Todos os dias, leio os principais sites e blogs sobre carros, na esperança de encontrar uma notícia de mudança no atual mercado automobilístico, mas na verdade, a cada dia, desanimo ainda mais. A notícia divulgada pela Fenabrave, com base nas vendas até o dia 4 de março, apontando o HB20, como o segundo carro mais vendido do Brasil, apenas veio confirmar aquilo que eu já disse em outros posts. Quando o brasileiro desinformado passa a comprar outros carros, que não sejam das quatro grandes montadoras, ao mesmo tempo em que ele muda o mercado, acirrando a concorrência, ao mesmo tempo, ele piora tudo. Isso porque, nós tratamos os carros como sinal de status. Nós avaliamos o outro pelo carro que ele tem. No caso do HB20 isso fica ainda mais escancarado.

Não é segredo para ninguém, que a Hyundai não consegue suprir a demanda do HB20. Há uma fila de espera enorme e muitas pessoas estão pagando ágio para poder sair de HB20 pelas ruas. É o caso do cunhado de um meu amigo. Ele não só pagou R$ 41.990 no popular coreano, como também, pagou R$ 3 mil a mais só para poder receber o carro em menos tempo. Sugestão da própria concessionária, que já havia entregado um carro para uma colega dele, nas mesmas condições. Será que ninguém enxerga o absurdo dessa situação?

Antigamente esse tipo de ágio acontecia apenas com carros de segmentos superiores, como carros de luxo, esportivos e tudo mais. Era raro ver isso acontecer com os populares. Mas no caso do HB20, desde o seu lançamento, o popular coreano é visto por boa parte dos brasileiros como um carro de alto padrão. E não é. O HB20 não passa de um popular completinho. A Hyundai sacou direitinho como conquistar o nosso mercado. – “Deixe um carro popular com cara de luxo e domine os brasileiros”. Devem ter pensado.

Essa história de que quanto maior a concorrência, mais melhoria nos carros, é balela. No Brasil isso não funciona. Se a China e a Índia invadirem o nosso mercado com suas carrocinhas, a única coisa que vai acontecer nos nossos carros atuais será uma queda brusca na qualidade. Por uma simples razão. O brasileiro não está preocupado com qualidade, segurança, etc., e sim, com estética. E é claro, com o preço.

Até hoje não aprendemos a comprar carro e continuamos dando valor exagerado a coisas simples. A Hyundai já anunciou que o novo HB20s vai custar a partir de R$39.990. Um absurdo para um sedã POPULAR. Mas pelas reações que o lançamento causou na internet, infelizmente tem muita gente achando que ele é um Elantra barato. Não é. Ele é um HB20 bem mais caro. E não é porque é mais caro produzir um Sedã que um Hatch. O preço é dado de acordo com o mercado. Nos EUA, por exemplo, os Sedãs são mais baratos que os Hatch.

Não sejamos ingênuos. Nenhuma montadora é boazinha, muito menos está pensando em mudar o mercado. O único objetivo delas é lucrar em cima da nossa ignorância. E num país com tanto carro ruim sendo vendido a preço de superesportivo, esse é um cenário perfeito para isso. Aos pomposos compradores um lembrete: o encanto do carro zero termina logo depois das primeiras revisões, ou do primeiro problema. Há casos em que o encanto terminou quando o “cheirinho” de caro zero acabou. E para se arrepender… já era tarde demais.