Pular para o conteúdo principal

Veja como algumas concessionárias estão enganando os consumidores na hora de trocar o carro

O caso a seguir foi enviado por uma leitora que não quis se identificar, vamos chama-la de Carol. A Carol trabalha em uma concessionária da Chevrolet, na zona oeste de São Paulo, que infelizmente também não posso revelar qual é, mas que não é difícil descobrir, principalmente porque eu já detonei essa mesma concessionária no twitter por venderem carros em péssimo estado.

Enfim, desde que a Carol passou a trabalhar no setor de seminovos, ela descobriu que a tal concessionária fazia o esquema de subvalorizarão do carro do cliente, alegando alta quilometragem.

O golpe funciona assim:

1 – O cliente quer comprar um carro na base da troca. Ele escolhe um modelo, chora por descontos e chega num preço de comum acordo.

2 – O cliente leva o seu carro para ser avaliado. Os avaliadores vão direto ao hodômetro e se o carro tiver rodado mais de 100 mil km, é informado ao cliente que a CC não pega nenhum carro com aquela KM e, mesmo se pegar, o carro seria encaminhado para outra revenda especializada em carros com KM alta.

3 – O vendedor indica ao cliente uma saída: Vender o carro para particular, mas alerta que será difícil alguém comprar um carro com aquela KM e, para não demorar, pois o “excelente” carro pretendido pode ser vendido para outra pessoa a qualquer momento.

4 – O cliente então resolve trocar de carro assim mesmo, afinal, segundo o vendedor, é melhor ele arriscar e fazer um financiamento, levando o “excelente” carro pretendido, do que tentar vender o dele para particular e perder a “excelente” oportunidade.

5 – O carro do cliente, que entrou na base da troca, é subavaliado ao extremo, com preços muito abaixo da tabela.

6 – O carro do cliente, que inicialmente iria para outra revenda, é então levado para uma “revisão”, que adultera o hodômetro e, por fim, é colocado à venda na mesma CC com preços de tabela e, dependendo do estado do carro, às vezes acima da tabela. A justificativa? “Baixa KM”.

Essa prática é mais velha que meu bisavô, mas ainda assim muitas pessoas caem e é justamente por isso que muitas CC continuam aplicando esse golpe.

Há alguns macetes que você pode fazer na hora de comprar um carro usado. Um deles é observar se o volante, os pedais, a manopla do câmbio e as maçanetas estão gastos. Se mesmo assim tiver dúvidas, leve o carro em um mecânico de confiança e peça a ele que avalie o carro.

Hoje em dia é possível descobrir na hora, através de um scanner, qual a real KM do carro. Fazendo isso você ajuda a coibir esse tipo de prática e desmascarar alguns picaretas por aí.

Postagens mais visitadas deste blog

AS VANTAGENS DE COMPRAR UM VW GOL

Muito tem se falado dos carros "nacionais". Uns metem o pau, outros elogiam e alguns até os veneram cegamente torcendo como se fossem times de futebol. A verdade é que existem vantagens e desvantagens nesses carros.

Num mercado tão peculiar como o nosso e cada vez mais exigente, fica difícil saber quais as verdadeiras vantagens de se comprar um automóvel "nacional". Vejamos então quais são as vantagens de se comprar um Gol, o carro mais vendido do Brasil, que hoje enfrenta uma queda brusca nas vendas por motivos óbvios.

CINCO CARROS 1.4 MAIS POTENTES

Sem delongas, vamos aos carros 1.4 "nacionais" mais potentes do mercado. Economia, conforto, espaço interno, nada disso vale aqui. O que vale é subir o morro tranquilo, com as bagagens e a família toda no carro. Será que isso é possível? Vamos à lista:


5 - Peugeot 207 1.4 16v
O 207 conseguiu uma façanha que parecia ser impossível. Ser menos potente que os motores Fiats. De imediato, os números não parecem surtir efeito. Mas é quando se anda no francesinho, que o desespero de pegar um morro vira rotina. O Citroen C3 tem o mesmo motor do 207.
Potência máxima (cv): 80,0 (G) / 82,0 (E) a 5.250 rpm
Torque máximo (kgf.m): 12,85 (G) / 12,85 (E) a 3.250 rpm

Ford vai utilizar o Microsoft HoloLens para projetar carros

Criticado por uns e amado por outros, o Microsoft HoloLens vem ganhando força no setor industrial. A prova disso é que a Ford se uniu à Microsoft para projetar seus carros em realidade aumentada.