Pular para o conteúdo principal

As desvantagens de comprar um Fiat Palio

Seguindo a sugestão do @ocabecote, inauguro aqui a nova série de posts “Desvantagens” onde vou expor apenas os postos negativos de cada carro. Ao contrário do que a grande mídia "especializada" faz, aqui não tem espaço para puxação de saco de montadora. A princípio, vou escrever apenas sobre os populares, por um motivo óbvio. Estou mais familiarizado com esse tipo de carro e já tive os principais modelos populares vendidos no Brasil. A ideia é publicar uma nova coluna a cada 15 dias. Não sei se vou cumprir esse prazo, por causa da minha agenda bagunçadíssima, mas se atrasar atraso um ou dois dias.

Enfim, vamos ao que interessa:

1. Estilo – (Eterno carro de aluguel...) Sempre que alguém me pede uma sugestão de qual carro comprar, frequentemente digo: “estilo, o carro tem que ter estilo e deve combinar com o seu.” O Palio não tem estilo nenhum. É um carro completamente sem graça. Consegue ser mais sem graça que um Gol. E não adianta colocar rodas 17’, rebaixar, farol xênon e o escambau a quatro, o Palio sempre será carro de locadora ou carro da NET.

2. Potência/Câmbio – (Potência não é nada sem...) De cara já excluo os motores E.torQ 1.6 16v e 1.8 16v. Esses não entram na lista. Mas como os modelos mais vendidos são os 1.0 e 1.4, potência é sim uma das desvantagens do Palio. E bota desvantagem nisso. Apesar do motor 1.0 possuir 73cv na gasolina e 75cv abastecido com Álcool, o Palio tem um problema sério com câmbio longo de engates imprecisos, que tornam as retomadas ainda mais lentas e exige um esforço extra na subida quando se perde o embalo. Principalmente se estiver com o carro cheio, 5 adultos + malas. Nesses casos é preciso pisar fundo e esgoelar o motorzinho Fire para conseguir extrair os 75cv. No caso do 1.4, era para ser menos sofrido, afinal, um motor de 81cv em um carro tão leve não deveria ser ruim. Pior que é! Conta com os mesmo problemas do 1.0 além de beber o dobro! É evidente que depois de embalado, tanto o Palio 1.0 quanto o 1.4, “voam” com certa facilidade, mas não queira perder esse embalo, caso contrário você sofrerá para retomar a velocidade, principalmente quando trocar da segunda para a terceira marcha. Alguns vão dizer: "mas é um carro 1.0, você queria o quê?" Tudo bem, 75cv num motor 1.0 é bom, mas...

3. Economia – (É econômico? É, mas...) Para que o Palio seja econômico, como dizem nos comerciais, é preciso seguir uma série de exigências, entre elas, seguir o “Econômetro” que te leva a não esgoelar o motor. Ora, nem se você quiser vai conseguir ser econômico o tempo todo. Como vimos no item 2 da lista, para extrair o todos os cavalos do Palio é preciso pisar fundo e isso faz com que o 1.0 Fire lembre o consumo de um Santana 2.0. No caso do 1.4 prepare-se para ter o consumo parecido ao de um Monza. Mas se você andar o tempo todo a 80 km, com o pé em cima, pisando fundo apenas nas ultrapassagens, talvez consiga um consumo próximo ao de um Escort. Ok, posso ter exagerado um pouco, mas vai por mim, você vai precisar pisar no talo frequentemente, principalmente quando pegar estrada e, nessas horas, meu amigo... bye, bye selinho do “A” Inmetro.

4. Suspensão/Aerodinâmica/Segurança – (Ruim de curva, pior na reta) Aqui é o seguinte, cada um tem um gosto para suspensão, mas a suspensão do Palio beira a ridículo. O Palio é mole, extremamente mole e incrivelmente inseguro. Se você precisa frear e desviar de alguma coisa em alta velocidade, o Palio chacoalha inteiro. Tente dar um leve desvio em alta velocidade e será um prato cheio para um acidente. Não era para ser assim, mas acima dos 110 km a impressão que se tem é a de que o carro vai desmontar. E nem pense em fazer as curvas em alta velocidade, o Palio, tanto o Fire quanto o novo, tende a “tombar” com uma facilidade comparável aos piores veículos chineses. A posição do motorista, bem, não é de motorista. Sentar em um Palio é como sentar numa cadeira em casa. É alto, desconfortável e não te dá prazer ao dirigir. E vale lembrar que recebeu péssimas notas no crash test, até mesmo os modelos esquipados com air bag.

Apesar dessas desvantagens, entre os populares nacionais, o Palio Fire e o Novo Palio são uma das melhores opções do segmento. Os motores atendem as necessidades para o dia a dia na cidade e, de um modo geral, o carro corresponde bem às expectativas de um carro popular. Além disso, a Fiat costuma oferecer pacotes bem interessantes nas versões de entrada, coisa rara em veículos VW, por exemplo. Mas não posso deixar de enfatizar, o Palio não é um carro pra quem gosta de carro, é um carro pra quem precisa de carro. E convenhamos, se tivesse que escolher entre um Palio e os “busões” da vida, até eu compraria o Palio.

Postagens mais visitadas deste blog

AS VANTAGENS DE COMPRAR UM VW GOL

Muito tem se falado dos carros "nacionais". Uns metem o pau, outros elogiam e alguns até os veneram cegamente torcendo como se fossem times de futebol. A verdade é que existem vantagens e desvantagens nesses carros.

Num mercado tão peculiar como o nosso e cada vez mais exigente, fica difícil saber quais as verdadeiras vantagens de se comprar um automóvel "nacional". Vejamos então quais são as vantagens de se comprar um Gol, o carro mais vendido do Brasil, que hoje enfrenta uma queda brusca nas vendas por motivos óbvios.

CINCO CARROS 1.4 MAIS POTENTES

Sem delongas, vamos aos carros 1.4 "nacionais" mais potentes do mercado. Economia, conforto, espaço interno, nada disso vale aqui. O que vale é subir o morro tranquilo, com as bagagens e a família toda no carro. Será que isso é possível? Vamos à lista:


5 - Peugeot 207 1.4 16v
O 207 conseguiu uma façanha que parecia ser impossível. Ser menos potente que os motores Fiats. De imediato, os números não parecem surtir efeito. Mas é quando se anda no francesinho, que o desespero de pegar um morro vira rotina. O Citroen C3 tem o mesmo motor do 207.
Potência máxima (cv): 80,0 (G) / 82,0 (E) a 5.250 rpm
Torque máximo (kgf.m): 12,85 (G) / 12,85 (E) a 3.250 rpm

Ford vai utilizar o Microsoft HoloLens para projetar carros

Criticado por uns e amado por outros, o Microsoft HoloLens vem ganhando força no setor industrial. A prova disso é que a Ford se uniu à Microsoft para projetar seus carros em realidade aumentada.